06/07/2014

O Desejo de ser Bom

A promessa de Deus é: “Buscar-Me-eis e Me achareis quando Me buscardes de todo o vosso coração” Jeremias 29:13. O coração deve ser entregue a Deus, ou jamais será operada em nós a mudança para restaurar-nos à Sua semelhança. Estamos, por natureza, alienados de Deus. O Espírito Santo descreve nossa condição em palavras como estas: “Mortos nos vossos delitos” (Efésios 2:1); “toda a cabeça está doente, e todo o coração, enfermo” “não há nele coisa sã” Isaías 1:5, 6. Estamos retidos nos laços de Satanás, “tendo sido feitos cativos por ele para [cumprirmos] a sua vontade” 2 Timóteo 2:26. Deus deseja nos curar e nos libertar. Como isso requer completa transformação e uma renovação da nossa natureza, devemos nos entregar inteiramente a Ele.

A luta contra o eu é a maior de todas as batalhas. A renúncia do eu, a sujeição de tudo à vontade de Deus, requer uma luta; mas a pessoa deve se submeter a Deus antes de ser renovada em santidade.

Ao contrário do que Satanás quer que pensemos, o governo de Deus não é baseado na submissão cega, no domínio sem razão. Ele apela para o intelecto e para a consciência. “Vinde, pois, e arrazoemos” (Isaías 1:18) é o convite que Ele faz para os seres que criou. Deus não força a vontade de Suas criaturas. Ele não pode aceitar uma homenagem que não seja uma oferta voluntária e inteligente. Uma submissão meramente forçada não permitiria o desenvolvimento da mente e do caráter; transformaria o homem em máquina. Não é esse o propósito do Criador. Ele deseja que o homem, a obra-prima do Seu poder criador, alcance o mais elevado desenvolvimento. Diante de nós estão as maiores bênçãos que, através de Sua graça, Ele quer nos outorgar. Ele nos convida a entregar-nos a Ele a fim de que possa cumprir em nós Sua vontade. Resta-nos escolher se queremos ficar livres da escravidão do pecado para partilhar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus.

Entregando-nos a Deus, temos necessariamente que renunciar a tudo que nos separa dEle. Por isso, Ele diz: “Todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser Meu discípulo” Lucas 14:33. Tudo que afasta nosso coração de Deus deve ser abandonado. O dinheiro é o ídolo de muitos. O amor ao dinheiro e o desejo de possuir riquezas são a corrente de ouro que os prende a Satanás. Há outros que idolatram a fama e a honra humana. A vida de comodidade egoísta e sem responsabilidades também funciona como um ídolo para outras pessoas. Mas essas amarras que escravizam devem ser cortadas. Não podemos ser metade do Senhor e metade do mundo. Não somos filhos de Deus a menos que o sejamos completa e inteiramente.

Existem aqueles que dizem servir a Deus, embora se apóiem nos próprios esforços para obedecer à Sua lei, formar um caráter perfeito e conseguir a salvação. Sem uma intuição profunda do amor de Deus para mover esses corações, buscam cumprir os deveres da vida cristã como se isso fosse uma exigência de Deus para alcançar o Céu. Uma religião assim não tem valor.

Quando Cristo habita no coração, a pessoa se sente tão repleta de Seu amor e da alegria da comunhão com Ele que se torna cada vez mais apegada a Ele. Ao contemplá-Lo, o próprio eu é esquecido. O amor a Cristo é a motivação certa para a ação. Os que sentem o amor de Deus não perguntam qual é o mínimo que podem fazer para cumprir os requerimentos de Deus; não perguntam qual é a norma mais baixa, mas o seu desejo é andar em total harmonia com a vontade do Redentor. Com sinceridade, renunciam a tudo e manifestam um interesse proporcional ao valor do objeto que buscam. Dizer ser cristão sem sentir esse amor profundo é falar de maneira vazia, formal e extremamente penosa. Você julga ser um sacrifício muito grande renunciar a tudo por Cristo? Faça a si mesmo esta pergunta: “O que Cristo deu por mim?” O Filho de Deus deu tudo — vida, amor e sofrimento — para nossa redenção. Será possível que nós, os indignos objetos de tão grande amor, não queiramos entregar-Lhe inteiramente o coração?

Durante toda a nossa vida temos sido participantes das bênçãos da Sua graça e, por essa razão, não conseguimos perceber plenamente a extensão da ignorância e miséria de onde fomos salvos. Seremos capazes de olhar para Aquele a quem nossos pecados perfuraram e ainda menosprezar todo Seu amor e sacrifício? Contemplando a infinita humilhação do Senhor da glória, iremos ainda reclamar por não poder ganhar a vida eterna, senão à custa de conflitos e humilhação própria?

Diante da pergunta de muitas pessoas cheias de orgulho: “Por que preciso me arrepender e me humilhar, antes de ter a certeza de que sou aceito por Deus?”, eu aponto para Cristo. Ele era sem pecado e, mais que isso, era o Príncipe do Céu; mas, em favor do ser humano, fez-Se pecado em seu lugar. “Foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre Si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu” Isaías 53:12.

Mas o que mesmo estamos renunciando, quando renunciamos a tudo? Estamos nos livrando de um coração contaminado pelo pecado, entregando-o para que Jesus o purifique, lavando-o com Seu sangue, e o salve pelo Seu amor incomparável. Apesar disso, alguns ainda acham difícil renunciar a tudo! Envergonho-me de ouvir falar isso, e de escrevê-lo.

Deus não pede que renunciemos a coisa alguma que traga benefícios para nós. Em tudo o que faz, Ele tem em vista o bem-estar dos Seus filhos. Quisera eu que todos os que não aceitaram a Cristo pudessem perceber que Ele tem coisas incomparavelmente melhores para oferecer do que aquilo que estão por si mesmos buscando. O ser humano provoca os maiores males e a maior injustiça para consigo mesmo quando pensa e age contrariamente à vontade de Deus. Nenhuma felicidade verdadeira existe no caminho proibido por Aquele que sabe o que é melhor e quer o bem das Suas criaturas. O caminho da transgressão só leva à miséria e destruição.

É um erro pensar que Deus tem prazer no sofrimento dos Seus filhos. Todo o Céu está interessado na felicidade do ser humano. Nosso Pai celestial não impede que qualquer de Suas criaturas experimente momentos de alegria. O que Deus pede é que sejam evitadas as concessões que podem trazer sofrimento e decepções, e podem fechar a porta da felicidade e do Céu. O Redentor do mundo aceita as pessoas como são, com todas as suas necessidades, imperfeições e fraquezas. Ele não só purifica do pecado e concede redenção pelo Seu sangue, como também satisfaz aos anseios do coração daqueles que consentem em carregar o Seu fardo e tomar o Seu jugo. Seu propósito é dar paz e descanso a todos os que vão a Ele em busca do pão da vida. Ele requer apenas que cumpramos os deveres que nos guiarão às alturas da bem-aventurança, às quais os desobedientes jamais poderão alcançar. A verdadeira felicidade é ter Cristo, a esperança de glória, no coração.

Muitos perguntam: “Como devo fazer a entrega do próprio eu a Deus?” Você deseja entregar-se a Ele, mas não tem força moral, é escravo da dúvida e controlado pelos hábitos da sua vida de pecado. Suas promessas e resoluções são como palavras escritas na areia. Você não consegue controlar os pensamentos, impulsos e afeições. O conhecimento das suas promessas não cumpridas e dos votos violados enfraquece sua confiança na própria sinceridade, fazendo que você pense que Deus não pode aceitá-lo. Mas você não precisa se desesperar. Só precisa compreender a verdadeira força da vontade. Este é o poder que governa a natureza do homem: o poder de decidir, escolher. Tudo depende da ação correta da vontade. O poder de escolha que Deus deu ao ser humano deve ser exercitado. Você não pode mudar o próprio coração, nem, por si mesmo, entregar suas afeições para Deus; mas pode escolher servir a Deus. Você pode dar-Lhe sua vontade. Ele então operará em você o querer e o fazer, segundo Sua graça. Desse modo, toda sua natureza estará sob o controle do Espírito de Cristo; suas afeições ficarão centralizadas nEle, e seus pensamentos estarão em harmonia com Ele.

É correto desejar ser bom e viver uma vida santificada. Mas nada disso tem valor se ficar apenas no desejo. Muitos se perderão enquanto esperam e desejam ser cristãos. Eles não chegam ao ponto de entregar sua vontade a Deus. Não escolhem agora ser cristãos.

Através do correto exercício da vontade, uma transformação completa pode ocorrer em sua vida. Entregando a vontade a Cristo, você se une com o poder que está acima de todos os outros. Obterá força do alto para permanecer firme e, pela constante entrega a Deus, será capacitado para viver a nova vida, a vida da fé.


Ellen G.White, Caminho a Cristo, capítulo 5.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...